Crime e Castigo - O Povo não é Sereno

Pedro Almeida Vieira

2013 | narrativa | Planeta

edição ilustrada por Enio Squeff e prefácio de Francisco Teixeira da Mota

Num país de povo supostamente sereno, ao longo dos séculos afinal sempre houve artes e forças para revoltas, conspirações e aldrabices. O Estado e as suas autoridades, quando tal sucedia, agiam com extrema brutalidade, fazendo correr sangue e dor.

O Estudante de Coimbra

Guilherme Centazzi

2012 | edição científica | Planeta

Reedição do primeiro romance moderno português - menção honrosa do Prémio Grémio Literário 2012

Pedro Almeida Vieira redescobriu o pioneiro romance moderno português, «O Estudante de Coimbra», que as elites dos seculos XIX e XX nunca quiseram conhecer.

Publicado originalmente em três tomos, entre 1840 e 1841, esta obra antecede os romances de Alexandre Herculano e Almeida Garrett, ressurgindo agora numa cuidada reedição.

Resíduos: Uma Oportunidade

Pedro Almeida Vieira

2012 | ensaio | Sopa das Letras

Ensaio inédito que analisa os impactes sanitários dos resíduos ao longo da História da Humanidade, apresentando com detalhe a evolução da sua gestão em Portugal no último meio século. 

Crime e Castigo no País dos Brandos Costumes

Pedro Almeida Vieira

2011 | narrativa | Planeta

edição ilustrada por Enio Squeff e prefácio de Rui Cardoso Martins

Portugal tornou-se, no século XIX, um dos primeiros países a abolir a pena de morte. Mas durante séculos, o Estado agia com crueldade contra os crimes. Matava tão selvaticamente como os criminosos. Através de 30 narrativas históricas conheça como afinal sempre foi o país que um estranho mito diz ser de brandos costumes.

Corja Maldita

Pedro Almeida Vieira

2010 | romance | Sextante

Narrado de uma forma muito peculiar pelo prório diabo, este romance retrata os episódios fulcrais que levaram à queda em desgraça da Companhia de Jesus na segunda metade do século XVIII em Portugal, Espanha e Franca, até à sua extinção pelo papa em 1773.

A Mão Esquerda de Deus

Pedro Almeida Vieira

2009 | romance | Sextante

Finalista do Prémio Casino da Póvoa / Correntes d'Escrita 2010

Romance que, ao percorrer as raízes do Tribunal da Inquisição em Portugal, ficciona a heterodoxa vida de Alonso Perez de Saavedra, um falso núncio, questionando muitos dos princípios e valores da natureza humana, onde a mentira surge como uma virtude nobre perante um cenário de intolerância, hipocrisia e maldade.

Portugal: O Vermelho e o Negro

Pedro Almeida Vieira

2006 | ensaio | Publicações Dom Quixote

Neste livro, usando uma linguagem simples e incisiva – sustentada em dados surpreendentes e análises inéditas –, o autor prova que os incêndios florestais não são afinal uma tragédia inesperada. Antes são a consequência de erros crónicos, misturados com mentiras dolosas, deturpações intencionais, evidentes fraudes e insuportáveis irresponsabilidades.

O Profeta do Castigo Divino

Pedro Almeida Vieira

2005 | romance | Sextante

Romance que retrata a vida e trágico fim do jesuíta Gabriel Malagrida, bem como a sociedade portuguesa nos reinados de D. João V e D. José, tendo o terramoto de 1755 como cenário «omnipresente». 

Nove Mil Passos

Pedro Almeida Vieira

2004 | romance | Sextante

Edição revista em 2010

Romance que retrata a construção do Aqueduto das Águas Livres durante o reinado de D. João V e os conflitos e conspirações entre as elites que cirandavam a Corte. 

O Estrago da Nação

Pedro Almeida Vieira

2003 | ensaio | Publicações Dom Quixote - Cadernos DQ Reportagem

Um ensaio demolidor, que aborda diversas temáticas socio-ambientais, sobre um país que desperdiça investimentos e desbarata recursos, caminhando a passos largos para uma situação de insustentável crise.

Eco-Grafia do País Real

Pedro Almeida Vieira

1997 | ensaio | Observatório do Ambiente

Baseando-se num trabalho de investigação jornalística publicada na revista Forum Ambiente em Fevereiro de 1997, Eco-Grafia do País Real constitui uma visão aprofundada da situação ambiental de Portugal na segunda metade dos anos 90 em sectores ambientais como saneamento básico e ordenamento do território.